Bom... vamos lá... Sente, regule seu monitor a uma luminosidade agradável... ligue o ventilador (ou ar condicionado...) e prepare-se: pois tem coisa para ler aqui hein... eheheheheh

 

Para começar a história da "A invenção", da Bicilinha 2 Pessoal, temos que voltar um pouco no tempo...láaaa para o ano de 2000 e pouco, quando inventei a Bicilinha... Enquanto eu estava andando com a primeira Bicilinha, sempre me perguntavam: "Viu... e se colocasse só 1 bicicleta na linha?!" aí, por 1 minuto, eu rascunhei uma idéia doida na cabeça de como teria que fazer... Depois que concluí, falei que dava sim para fazer... Mas nem liguei muito pois estava "aficcionado" pela Bicilinha, que queria saber de desbravar kms e kms da nossa malha Paulista aqui.

 

Pois bem.

 

Depois de ter inventado a Bicilinha, estava me deparando com um problema cada vez maior: O MATO! Sem contar que também faltava "mão de obra", digo, outro "maquinista" para andar comigo na linha. Sempre quando eu ia andar com a Bicilinha, chamava um e a resposta era: "...ah, tá sol...", outro: "...vou num churrasco...", outro: "...nesse mato?!" e claro, por fim "... ah.. vo dormir...", etc. Bom, então, percebi que faltava pessoas com vontade de se aventurar realmente! Mas tudo bem, cada um tem uma opinião e gosto e faz o que quer... Quem quer ser sedentário, seja. O sol sempre existirá, e cada vez pior, mais forte.

 

Devido a não encontrar um parceiro de ferrovia, um dia em casa comecei a pensar em criar uma solução, pois desse mato não saía mais cachorro não.

 

Com uma idéia a seguir, fiz o rascunho. Depois comecei a analisar os materiais e a complexidade de construir a invenção... Mesmo sendo esse o primeiro rascunho, muita coisa mudou. Mas esse aí funcionou normalmente, só tive que alterar para se adequar ao matagal da ferrovia.

Para eu ter mais idéia do que eu estava criando, fiz esse rascunho. Os rascunhos, mesmo que sejam alguns rabiscos (desde que você entenda depois), ajudam muito para saber as peças que terão que ser feitas, tamanho, valor estimado, etc.

Sentei, pensei... pensei... pensei... pensei... pensei... (eu penso pá pega mesmo... eheheheh) pensei... pensei... (cheirou queimado! auhauhauha), rascunhei vários desenhos de um projeto inicial para fazer ela andar na linha sem cair do trilho... Aí saiu o primeiro rascunho, esse aí do lado esquerdo... Que ganbiarra né?! Ehehehehe Mas aí finalmente decidi: bom... Eu ADORO andar na linha... Quero curtir meu futuro "brinquedo" e praticar esse esporte que inventei... Então não vou abandonar a prática não: tenho que inventar uma que eu ando sozinho e que seja leve, ágil, de fácil, barata e rápida construção e que, principalmente, vença o mato não tão exagerado! Como disse acima, rascunhei alguns desenhos para eu tomar um rumo e levantar custos e as peças necessárias. O desenho do lado direito, é uma visão da minha futura criação vista de cima. Aqueles retângulos ali, acredite ou não, mas são os coitados dos dormentes que hoje são precários pos auqi. Bom, pois bem. Depois de criar esses desenhos e mais alguns que veremos aqui, comecei a verificar bicicleta eu ia usar para desenvolver minha nova invenção. Analisei também se mesmo depois de mexer nela ainda fosse possível usa-la como um veículo rodo-ferroviário... Sendo possível andar tanto na rua como uma bicicleta normal quanto na ferrovia. Depois de analisar e achar um jeito de manter as características da bicicleta o mais original possível, consegui achar um modo de adaptar as peças mantendo a originalidade da bicicleta. Poucas coisas teriam que ser modificadas. Mas a mesma bicicleta seria usada para as duas Bicilinhas? Hum... Então decidi: essa bicicleta, na qual originou a minha primeira criação, será somente para a minha nova criação e para andar na rua normalmente com uma bicicleta normal.

 

Mas porquê de não usa-la mais na Bicilinha? Porque se eu usar a mesma bicicleta para ambas Bicilinhas, iria forçar muito a mesma podendo acontecer num desgaste excessivo ou quebra dela (principalmente corrente, já quebrei 3!) em qualquer lugar em meio a ferrovia... E outro motivo de não usar a mesma nas duas Bicilinhas, seria por causa das peças que eu teria que adaptar na bicicleta. Elas não permitiam o encaixe do quadro no suporte da bicicleta da primeira Bicilinha.

 

Então, decidido isso vamos para a próxima etapa: materiais, forma da invenção e custos... Rascunha daqui, pensa dali (meu primeiro rascunho foi brincando... numa folha de jornal!)... Verifica os custos (que não foram altos...). Mede o rodeiro do trilho (rodeiro: parte que a roda do trem passa)... Mede o desgaste... O custo é baixo, material tem fácil acesso... então... Vamos fazer o trem!!!

 

Mas em meio da enchente de idéias, pensei em vários tipos de rodas com friso duplo, inclusive achei que já podia existir alguma que dava certo... Mas não era do jeito que eu queria! Então resolvi fuçar na internet. Até que, vendo nas imagens na internet, descobri que uma invenção parecida com a minha já existia a nos no exterior.

 

Vixi... aí ferrou! Humm... ixi.... nossa.... e agora? Já existe uma igual a que pensei a 10 anos, e eu nem sabia... mas perae! Eu sabia dela quando pensei em desenvolver essa? Não! Eu copiei algo dela, sendo que eu nem sabia que existia e já estava com ela '100% na cabeça? Não! Ué... então?! Vamos construir!!! Vou desenvolver o MEU projeto que tinha em mente a anos, porém "engavetado" e não copiar ou ver como foi feito! Bom, se fosse plágio eu não perderia tempo meu agora digitando tudo isso aqui, na qual tenho uns computadores aqui para arrumar (sou técnico em informática, ha 17 anos, contando de hoje, e por sorte, eu sou o patrão!). Então eu decidi fazer do meu jeito, daquele jeito que tinha pensado a mais de 10 anos atrás e seguir em frente, sem espiar absolutamente NADA da gringa. Se eu passasse por algum problema? Eu me viraria e não copiaria. Copiar não é meu forte... Bom não digo que na época de escola e faculdade eu não copiava né... Mas criação própria, inenção, aí não. Mesmo se desse errado alguma coisa, jamais olhar em outros modelos: quero ser original, como a primeira Bicilinha!!! E o nome? Hum... Qual nome dou a ela? Bicilinha 2? Bicilinha Pena (leve pa pega!)? Bicilinha "light" (ih.. inglês não! Estamos no Brasil!!! Depois veja no menu "Porque Bicilinha" e entenderá...). Opaaaaaa já sei: como ela foi a segunda Bicilinha e é de uma pessoa só... nasceu o nome:

 

BICILINHA 2 PESSOAL!!!

(sem os 3 pontos de exclamação!!!)

AEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!! Viva!!!!!!!!!!!

 

No início de junho de 2010, dado um nome a nova invenção, coloquei minha idéia num papel fizendo um breve rascunho para eu analisar e ver o que era para ser feito e alterado... Para usar uma referência. Peguei uma folha branca e comecei a rascunhar e rabiscar. Aí comecei a ter uma idéia mais clara da minha nova invenção, a Bicilinha 2 Pessoal e ter uma noção de como começar, as peças, etc.

 

 

Desenho odas de apoio do outro trilho: funcionou 100% até que viessem a mata atlântica que vegeta na ferrovia. Por sorte eu tinha outro plano com peças de fácil acesso.

Vista de cima das rodas de apoio do outro trilho: era para ser assim, mas futuramente isso foi mudado: para melhor transporte tive que fazer esses "braços" articulados... Mas foi simples a mudança. O pequeno desenho no canto superior direito, é a vista de frente dessa peça.

Minha idéia era e parecia ser simplesmente simples. Eu tinha que me virar e dar um jeito de vencer algumas coisas básicas para eu conseguir andar na linha com 1 bicicleta. Queria que os 2 pneus dela encostassem no trilho (diferente da primeira Bicilinha, na qual só o de trás encosta)... Que a bicicleta pudesse andar na rua como qualquer outra... Que a bicicleta não tombasse para ambos os lados e finalmente, que ela andasse perfeitamente em cima do trilho. Bom para ela não cair de lado, achei uma fácil solução: só colocar uma roda no outro trilho com 3 barras de ferro feitos de metalão. Os desenhos de ambos os lados mostram a tal roda que eu deveria colocar lá no outro trilho. O desenho do lado esquerdo, são as rodas vistas por trás da invenção, já do desenho do lado direito, visto por cima. Já o outro "desafio", ah... esse foi fácil pensar, MAS fazer... putz! Sabe o que é acordar as 7:00 e ficar até as 12:00 na linha do trem entre dois barrancos tentando fazer a filha da mãe não cair da linha? Isso que fiz... Meu, quem gosta, gosta! E isso, gosto, não se discute! E também a Bicilinha 2 Pessoal teria que ser leve para enfrentar o mato, andar muito e muito mais veloz que a Bicilinha e que suas peças fossem possível levar na mão sem esforço exagerado... Para uma melhor compreensão na construção, fiz o rascunho mostrado aí em cima, do lado direito.

 

Bom vamos por parte: e os materiais? Bom, eu sabia que o nylon não era tão caro então comprei um taruguinho dele numa medida exata a linha do trem. Desenhei uma roda para "encaixar" no rodeiro do trilho de maneira que essa, tivesse dois braços que ia no guidão da bicicleta. Então, o guidão não ia se mexer, aliás, ia mexer apenas o equivalente a folgar super-hiper calculada em cima do desgaste do triho (isso quase fundiu minha cabeça!). Aí eu pensei "bom, se a roda de nylon vai guiar o guidão que será super alinhado ao pneu da frente, então onde o pneu da frente passa, o de trás também passa... Ah... pensar é uma coisa, construir e não funcionar é outra... Então, Depois da roda de nylon estar feita, fiz uns "braços" articuláveis e reguláveis que prendesse no eixo dessa roda de nylon e no parafuso da roda da frente.

 

Quando fiz isso, fiquei doido... Fui até na linha ver se dava para andar só com isso, claro, já prevendo que se eu tentasse ir, era um tombaço (ou tombasso?!) para um dos lados, afinal não tinha nada para apoiar ou exercer contra peso... Fui até a linha, coloquei e empurrei um pouco: era como eu previa... A Bicilinha 2 Pessoal andou certinho! O jogo entre os frisos da roda ficaram certo com os desgastes. Até tentei sentar no banco e pedalar, mas claro que a coitada da bicicleta ia pender para algum lado, e como a roda era com duplo friso, não tinha como virar para equilibrar... Bom, então voltei para casa com o sorriso quase emendando atrás da cabeça (eita!). Não via a hora de amanhecer para fazer a roda de sustentação. Ixi... mas que material uso?! Bom... vamos apelar aos rolamentos de motor de moto que encontra em qualquer oficina de motoca.

 

Vi vários tamanhos de rolamentos... Pensei em colocar do mesmo tamanhos dos 20 usados na Bicilinha. Mas, como o centro dele é muito grande, teria de usar um ferro de diâmetro grande para caber ali. Então, coloquei uns com a metade do tamanho. Aliás, coloquei um não, coloquei ums 8! Espaçados por um ferro de não sei nem o que! Porque tanto assim? Caso a linha tivesse torta ou fora da bitola (1,66 m), ela poderia "dançar" até ums 20 cm que eu conseguiria andar legal. É isso mesmo: a Bicilinh

a 2 Pessoal é para enfrentar umas coisas dessas mesmo!!! Bom, depois verão nas fotos e nos vídeos... Essa enfrenta quase tudo! Anda até na terra! Vontade de ver agora as fotos né? Aguenta aí... Termina aqui primeiro, para entender a fabricação dela tudo certinho... eheheheheheh

 

Bom, para fazer esse contrapeso/apoio eu desenvolvi 3 barras de ferro de metalão reguláveis que partem das partes mais óbvias da bicicletas: uma na frente da bicicleta embaixo, outra do meio no alto, e a outra no fim embaixo, formando assim uma das formais mais fortes: o triângulo. Essas três barras de metalão, em suas outras extremidades foram unidas em uma única peça que é aqueles 8 rolamentos lá que eu disse.

 

E quanto ao freio? Bom, como a bicicleta anda perfeitamente com seus dois pneus sobre a linha, então o freio  é o mesmo da bicicleta, sem alteração alguma.

 

Aí volta algumas perguntas, como as da Bicilinha... e quanto as autoridades?! Aí vem a mesma resposta...Caso você não tinha se perguntado isso, certamente que mais tarde poderia se perguntar. Bom, começar, não estou destruindo nada de errado como avarias, matando ninguém e muito menos “zuando” na ferrovia ou com os trilhos. Muito pelo contrário: estou mostrando que é possível através de uma simplíssima invenção trafegar no que sobrou da nossa malha Paulista, fazendo exercício e sem usar qualquer motor a combustão ou elétrico. Então... há algum problema?! E quem tem que impor regras ou permissões na ferrovia não é as autoridades locais e sim a ferrovia afinal ali não é "rua" e a minha invenção, a Bicilinha 2 Pessoal, não é um "veículo rodoviário" e sim ferroviário então cabe a ferrovia alertar algo. Em outras palavras compete a ferrovia cuidar, permitir ou proibir algo e de mais ninguém.

 

Mas como no caso da Bicilinha, que eu tinha avisado as autoridades locais que eu estava andando na linha e não se tratava de vandalismo (se é que o que eu faço pode ser considerado láaaaaa longa commo vandalismo...), quando fiz essa nem falei nada a ninguém. Pois como muitos aqui já sabem que eu ando na linha com a Bicilinha, se ver eu andando de bicicleta na linha já saberão do que se trata né?!

 

Então... Vamos aos testes? E quanto ao trem? Ixi... antes tivesse algum trem rodando por aqui, porque a coisa tá feia. Falando um pouco dos trens por aqui... Espero que logo volte alguma coisa aqui. Preferencialmente, os trens de passageiros, né? Mas isso é quase impossível com a administração presente. Bom, para voltar o trem aqui depende de uma única coisa: INTERESSE POLÍTICO!!! Aí sim... Nem que fique milhões e milhões mas fazem, afinal, estamos no Brasil, certo? É só algum político aí comprar uma "fábrica" de dormentes, arrumar algum laranja que você vai ver linha de trem para tudo quanto é lado! Lembra dos kits de primeiros socorros nos carros? Que todo mundo era obrigado a ter? Então... Estranho né?! Só depois de vender e vender foram analisar que, num acidente NÃO pode mexer no acidentado... Então para que o kit?! Aí não foi mais obrigatório... Será que algum político estava por trás de alguma empresa na qual comercializasse esses kits?! Sei lá... Brasil é Brasil. Bom... Vamos voltar nos primeiros testes da invenção né, pois falar em política é uma bosta! Mas mesmo quando vou andar, sempre me informo se haverá passagem de alguma coisa na linha... Seja um trem (coisa que, contando de hoje, passou um a 3 anos!), seja um auto de linha... Sempre que fui me informar, NUNCA aconteceu de nada passar! Seria mais prazeroso tirar fotos de um trem ou auto de linha passando, mas infelizmente, não passou nada quando fui andar. Mas vamos colocar que eu nunca mais me informo e venha um trem. E a parada da Bicilinha, é rápida? Ela corre beeem mais do que a primeira Bicilinha... Sim, devido ao seu baixo peso e aos dois pneus estarem em contato com o trilho, é freou, parou! Rápido! Só parar, descer da bicicleta, pegar no quadro e na barra do meio e retirar. Pronto. Estou fora da linha. Simples e ulta rápido.

 

Agoooooora sim, vamos aos testes? Bom... tive que fazer os testes a noite, pois fechei minha loja as 18:00 e fui para casa levar a minha invenção, Bicilinha 2 Pessoal, para a linha sem saber ao menos como ela ia se comportar! Bom, sem querer chamar atenção, montei ela num local sossegado, coloquei na linha aí ficou meio que desajeitada. Nada que uma entortada aqui e ali não resolva... Subi na Bicicleta e com a adrenalina láaaaaaaaa em cima... Dei as primeiras pedaladas e... TOMBO! Aauhauhauhauha não não, brincadeira... A INVENÇÃO ANDOU COM QUASE NADA DE ESFORÇO!!! Falando sério?! Com o peso da própria perna ela consegue andar num lugar limpo. Sim... é extreamente leve! Ágil! Atravessei a cidade mas não cheguei até a estação, pois tudo era novo ali, a linha com a roda... E fazia tempo que eu não andava por isso nem sabia se algum porco teria jogado algo na linha (aqui isso é comum...aqui, ferrovia = lixão). Fui e voltei umas 3 X rindo sozinho... E impressionado com a leveza da coisa... nem se compara com a Bicilinha, em termos de peso.

 

Nossa... Realmente, o mato não segurou! Pois ela é muito mais alta que a Bicilinha, leve, ágil (aí é perigoso...), um limpa trilho que desenvolvi, abre o mato de maneira que a roda não passe por cima ou pelo menos passe em uma pequena parte dele...

 

Aí depois de ver que o negócio funciona mesmo, comecei a procurar riscos e perigos na qual poderiam fazer com que eu realmente fosse para o chão, ou pelo menos descarrilar. Percebi que, quanto ao mato do trilho que eu estou em cima não tem problema (pelo menos mato daquele tamanho...), mas, já o mato do outro trilho vi que, devido os rolamentos serem pequenos, ali sim, um mato de tamanho razoável estava "freando" toda minha invenção, mesmo estando desempenhando o papel perfeito: de agir como um contra peso e apoio. Também percebi que, como as bolinhas do rolamento ficam muito perto do trilho e consequentemente perto do mato, elas echiam de sementes e de mato, ocasionando em um possível travamento dela. Bom, mas o pior já tinha passado: fazer ela andar na linha perfeitamente. Mesmo em curvas para ambos lados retas, ela se manteve firme e forte!

 

Então, pensei em resolver da maneira que sempre resolvo: o mais simples e eficaz possível: coloquei roda de carriola! Isso... daqueles carrinhos de mão usados em construção! Mas não foi simples colocar lá... A altura era 3 X mais, sem contar que não achei essas bombas dessas rodas com rolamentos! Então, fui atrás de rolamentos que coubessem nelas e... achei! Opa! Aí fiz um suporte para ela que é a mesma peça que os 3 braços de ferro vindos da bicicleta se unem... e vamos para a linha de novo!

 

Andou legal, enfrentou o mato tranquilamente... mas... era só vir uma curva que o pesadelo que eu mais temia começava: sair a roda traseira! Putz!!! Mas eu pensei... eu NÃO vou colocar uma roda igual a da frente atrás da Bicicleta!!! Vou quebrar a cabeça mas vou ajustar de maneira que ela ande na linha sem essa roda. Quando pensei em inventar a Bicilinha 2 Pessoal a 10 anos como eu disse, eu não tive idéia de colocar uma roda atrás da bicicleta. Ainda mais depois que vi que aquela gringa do site lá tinha a tal roda... Não copiei absolutamente nada da Bicilinha, e da Bicilinha 2 Pessoal será a mesma coisa! Ou eu invento tudo e me viro para arrumar o problema ou deixo quieto! Quero ser original como fui com a Bicilinha.

 

Pois bem, foi aí que aconteceu o que eu disse aqui... Levantava as 7 da manhã de domingo e ficava até as 12:00 tentando achar um meio termo para a roda traseira não cair. Ajusta daqui... Inclina dali... Mede daqui... Regula dali... até que... AEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!!! Agora sim!!! Ficou 100%!!! Fui e voltei, curvas de ambos lados e nada de cair!

 

Calculo que já andei perto de 1000 Km com a Bicilinha 2 Pessoal!!! Com a Bicilinha, eu andei certamente mais que 1000 km, isso em quase 10 anos. Já com a Bicilinha 2 Pessoal, que hoje tem aproximadamente 1 anos e meio, andei quase o equivalente a 10 anos da Bicilinha! Porque? Devido a ela andar mais, enfrentar mais mato e ser muito mais leve, automaticamente, consigo desenvolver mais kms nela.

 

Do fato dela ser 100% desmontável, fiz até uma pequena alça para carregar quando eu for da minha casa para a ferrovia e voltar...

 

Afinal... qual das duas eu prefiro?! Hum... pergunta difícil... As duas foram criações minhas. As duas eu gosto muito. Uma é pesadona, enfrenta melhor os obstáculos na linha esmagando e retirando, mas é bem mais pesada e não poder ter mato para poder andar bem com ela. A outra é muitíssimo mais leve, corre mais, enfrenta mais o mato mas dependendo do obstáculo na linha a rodinha pode levantar, por ser leve (falarei disso em "Aventuras"). Bom... de se parecer mais com trem, claro que a Bicilinha com duas 6 rodas de ferro, é mais parecida... Até para passar na chave (AMV... ou cruzadilhas) e pelo barulhoa que as 6 rodas fazem. A outra já é bem mais silenciosa tem só 1 roda de ferro na qual faz pouco barulho mas em compensação levíssima e o tempo de transportar, montar e desmontar é muito mais rápido que a Bicilinha, mas é possível andar somente em 1... Resumindo: prefiro as duas, mas dependendo da ocasião, uma se sobressai mais que a outra. Hoje por exemplo (Fevereiro/2012), como o mato tá alto e tem muita coisa na linha, terra, etc, só estou andando com a Bicilinha 2 Pessoal. Quando limparem, e se eu achar um doido aí, eu ando com a BIcilinha... Mas a linha tem que estar sem barranco caído e matagal, senão gastamos mais energia limpando e levantando a Bicilinha do que pedalando, ao contrário da Bicilinha 2 Pessoal, que eu mesmo, somente 1 consegue virar ela devido a seu pouquíssimo peso.

 

Passei por diversas aventuras e alguma adaptações de última hora desde o nascimento da invenção. Da minha primeira viagem, para a cidade vizinha, até hoje está no menu ao lado, "Aventuras - Bicilinha 2 Pessoal". Dê uma olhada e veja como foi a primeira viagem com a Bicilinha 2 Pessoal! Confira!!!

 

Voltar

_____________________________________________________________